Governo marginaliza setor de entretenimento como estratégia de inviabilizar eventos sem se indispor com proibição

12/01/2022 - 12:29
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no twitter
Compartilhar no facebook
Compartilhar no whatsapp

O governador Rui Costa tem tido alguns acertos à frente da máquina estadual, mas recentemente o gestor cometeu um deslize considerável, quando resolveu reduzir para três mil o limite de público para eventos na Bahia, que antes eram cinco mil. Ao fazer essa redução, Rui toma uma medida que mais serve para prejudicar o mercado de eventos, que representa uma fatia de 4,5% do PIB, e gera emprego. Ora, cinco mil pessoas disseminam o coronavírus, mas três mil não? A medida apenas inviabiliza a vida das empresas do setor. O razoável, afirmam alguns especialistas, seria estabelecer um critério proporcional ao tamanho do espaço do evento e até endurecer na fiscalização para exigir entrada de somente vacinados. É como se a intenção fosse apenas a de inviabilizar, sem precisar se desgastar com o decreto a proibição. Se assim for, é de uma maldade sem tamanho. Marginalizar um dos segmentos mais importantes da economia baiana não é peculiar. Enquanto isso, os estádios podem receber 30 mil pessoas.

Blog do Gusmão Neto

Última do Blog
Governo marginaliza setor de entretenimento como estratégia de inviabilizar eventos sem se indispor com proibição

Artigos

O imponderável mundo novo
O imponderável mundo novo
Por Roberto Amaral
Entrevistas
Por Luís Antônio de Lima Andrade
Sua saúde e bem-estar estão diretamente ligados à sua tireoide