Ex-prefeito tem contas rejeitadas por não investir o mínimo na Educação e deixar rombo de R$ 71 milhões no orçamento

20/05/2022 - 17:01
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no twitter
Compartilhar no facebook
Compartilhar no whatsapp

O Tribunal de Contas dos Municípios da Bahia (TCM-BA) rejeitou as contas do ex-prefeito de Caetité, Aldo Ricardo Cardoso Gondim (PSD), relativas ao exercício de 2020.

O município teve, em 2020, receita arrecadada de R$147.986.628,51, já as despesas foram de R$ 144.385.519,46, o que revela um superávit orçamentário expressivo, da ordem de R$ 3.601.109,05. Quanto aos restos a pagar, os recursos deixados em caixa (R$ 2.543.553,05) não foram suficientes para cobrir despesas de curto prazo, o que resultou em um saldo a descoberto de R$ 71.779.695,95, violando o disposto no artigo 42 da LRF.

Sendo assim, os conselheiros do TCM também determinaram a formulação de representação ao Ministério Público Estadual (MPE), para que seja apurada a ocorrência de crime contra as finanças públicas, nos termos do artigo 359-C do Código Penal.

Em relação às obrigações constitucionais, o gestor aplicou 21,88% da receita resultante de impostos, compreendida a proveniente de transferências, na manutenção e desenvolvimento do ensino no município, não cumprindo o mínimo exigido de 25%. A decisão cabe recurso.

Blog do Gusmão Neto

Última do Blog
Governo marginaliza setor de entretenimento como estratégia de inviabilizar eventos sem se indispor com proibição

Artigos

O imponderável mundo novo
O imponderável mundo novo
Por Roberto Amaral
Entrevistas
Por Luís Antônio de Lima Andrade
Sua saúde e bem-estar estão diretamente ligados à sua tireoide