Ações estratégicas de produção de alimentos são fomentadas em Governador Mangabeira

18/03/2024 - 15:00
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no twitter
Compartilhar no facebook
Compartilhar no whatsapp
Foto: Governo federal

O Programa Bahia Sem Fome, por meio da Coordenação Geral de Ações Estratégicas de Combate à Fome, visitou, na manhã de sábado (16), o município de Governador Mangabeira, a 166 km de Salvador. A comunidade de Tocos III celebra uma conquista histórica que é o Programa de Aquisição de Alimentos (PAA) do governo federal, com cogestão do governo estadual.

São R$ 300 mil investidos no projeto, por meio do qual os pequenos agricultores irão produzir e vender. Dinheiro que, além de contribuir com a geração de emprego e renda, vai movimentar a economia do município de Governador Mangabeira. “É o primeiro PAA aqui na comunidade e precisamos valorizar esse investimento do governo. Vamos abraçar e fazer acontecer”, comemora o presidente da Associação Tocos III, Athayde Ribeiro. Essa é mais uma prova do empenho do Governo da Bahia em erradicar a fome no estado.

Iniciativa destinou mais R$ 1,5 milhão para investimentos contra a fome no município

Durante a visita à comunidade, o coordenador do Programa Bahia Sem Fome, Tiago Pereira, esteve com agricultoras e agricultores da Associação Tocos III, onde está sendo finalizada a Cozinha e a Casa de Farinha, obra do Governo do Estado para a comunidade local, na unidade de beneficiamento de mandioca. O projeto investiu R$ 1,5 milhão para a produção de farinha, beiju e derivados da mandioca.

Pereira celebrou a presença das mulheres e entoou cantigas que são cantadas em cooperativas e em processos da agricultura: “oiê, mulher rendeira. oiê, mulher rendá. Tu me ensina a fazer renda, que eu te ensino a namorar”.

O coordenador ressaltou o protagonismo das mulheres na agricultura. “Quem descobriu a agricultura foram as mulheres que, por muito tempo, foram invisibilizadas”, contou aos produtores presentes na associação.

Maria Dionísia é presidente da Associação de Baixa Grande e contou que a sua comunidade passou a gerar renda utilizando frutos que antes teriam sido jogados fora. “Gosto de trabalhar com a agricultura, valorizar os produtos de nossa região. Na nossa comunidade, perdíamos muitos frutos como o caju e, depois dessa organização, a gente se uniu e hoje produzimos os frutos e doces, por exemplo doce de goiabada, de caju, pizza de aipim, sorvete de aipim. A gente processa o aipim e vende. O bolo de aipim, o bolo de carimã é bem vendido. Fazemos licor, a gente não perde nada! Do caju pro jenipapo, goiabada, maracujá, cenoura. Tudo o que a gente tem, a gente reaproveita”, afirmou a liderança.

O coordenador do Bahia Sem Fome lembrou que o umbu não era comida de gente: “umbu já foi comida de bicho, de caprino, bodes, ovinos. Foi graças à organização de mulheres e das políticas públicas que ele foi aproveitado e transformado para comida de gente. Hoje, fazemos 48 produtos do umbu. A cerveja de umbu é muito saborosa”.

O vereador Zé Mário ressaltou a importância do Programa Bahia Sem Fome e elogiou a iniciativa da gestão do governador Jerônimo Rodrigues: “nunca se houve na Bahia um governo que acreditasse tanto na agricultura familiar”. Na ocasião, foram entregues 200 cestas básicas à cidade.

Blog do Gusmão Neto

Última do Blog
Passou no teste: Bruno Reis experimenta seu primeiro momento popular

Artigos

A importância da Câmara na construção de uma cidade melhor
ministro-696x456
Por Presidente da Câmara, vereador Carlos Muniz (PSDB)
Entrevistas
Por Luís Antônio de Lima Andrade
Sua saúde e bem-estar estão diretamente ligados à sua tireoide

Mais em